Ao mestre, com carinho12/03/2012 | 16h15

É Tudo Verdade anuncia programação com homenagem a Eduardo Coutinho

Festival de documentários apresentará cópia restaurada do clássico "Cabra Marcado para Morrer"

Enviar para um amigo
É Tudo Verdade anuncia programação com homenagem a Eduardo Coutinho Daniela Xu/Agencia RBS
Coutinho vai debater com o público o histórico filme lançado em 1984 Foto: Daniela Xu / Agencia RBS

– À vezes não há forma melhor de se aproximar de um universo do que na forma do documentário – declarou nesta segunda-feira Amir Labaki, diretor do Festival Internacional de Documentários É Tudo Verdade (ETV), na ocasião do anúncio da programação da 17.ª edição do evento, que ocorre em São Paulo e Rio de Janeiro de 22 de março a 1.º de abril.

Desta vez, serão cerca de 80 histórias longas e curtas que ganham o olhar dos documentaristas dos mais variados países. Entre os longas em competição, 25 títulos fazem sua estreia mundial no ETV.

– É uma das edições mais plurais que já tivemos – disse Labaki. – Se em outros anos, principalmente depois do 11 de setembro, a temática política deu o tom à grande maioria das produções, desta vez tudo está mais híbrido. Há desde as grandes questões sociais em foco, como a Primavera Árabe, por exemplo, até temas mais pessoais. É um momento da produção mundial que não aponta na direção de nenhum tema específico, mas sim na pluralidade.

Entre os homenageados do festival estão Eduardo Coutinho, na retrospectiva nacional, e o argentino Andrés Di Tella. Mais que a totalidade da obra de Coutinho, ganha destaque principalmente a fase de formação do diretor como documentarista.

Coutinho – O Caminho até Cabra traz sete títulos e dois debates com a participação do cineasta e colaboradores cruciais para que Cabra Marcado para Morrer (1984) fosse realizado e para que tenha também passado pela restauração pela Cinemateca Brasileira.

– É a melhor hora para se analisar desde o período de formação de Coutinho como documentarista até a sua consagração como um dos maiores do mundo – afirmou Labaki.

Já Di Tella surge como o segundo latino-americano a ser homenageado pela retrospectiva internacional do festival. O primeiro foi o cubano Santiago Álvares, na primeira edição do ETV, há 17 anos.

O diretor do É Tudo Verdade também ressaltou que a Associação Brasileira de Críticos de Cinema (Abraccine) dará pela primeira vez um troféu no evento, e que a 12ª Conferência Internacional do Documentário discutirá este ano a utilização de técnicas de animação nos filmes de não ficção. Em tempos de vertentes tão plurais nos temas, os realizadores encontram novos formatos para se aproximar cada vez mais da verdade na tela.

Um exemplo de uso criativo e competente da forma para se contar uma história com a maior fidelidade possível, segundo Labaki, é Tropicália, de Marcelo Machado. Ainda inédito, o longa abre a edição paulista do festival. No Rio, a abertura ocorre com Jorge Mautner – O Filho do Holocausto, de Pedro Bial e Heitor D'Alincout.

Siga Diário Catarinense no Twitter

  • dconline

    dconline

    Diário CatarinenseAcidente deixa oito pessoas feridas no Sul de Santa Catarina http://t.co/SwV1Y5sXJThá 17 horas Retweet
  • dconline

    dconline

    Diário CatarinenseNo primeiro dia sem radar, pelo menos 40 condutores são multados por passar no sinal vermelho http://t.co/bC0zeU86w8há 19 horas Retweet
Diário Catarinense
Busca
Imprimir
clicRBS
Nova busca - outros