Força da Beleza16/03/2013 | 06h31

Flávia Flores encara o câncer de forma corajosa e criativa

Empresária e ex-modelo de Floripa encontra na autoestima a força para enfrentar a doença com leveza

Enviar para um amigo
Flávia Flores encara o câncer de forma corajosa e criativa Ricardo Wolffenbüttel/Agencia RBS
Foto: Ricardo Wolffenbüttel / Agencia RBS

"Você está com câncer de mama". Receber este diagnóstico é um baque na vida de qualquer mulher, e ainda mais trágico quando a notícia é dada a uma jovem, cheia de planos para o futuro. Foi assim com Flávia Flores, 35 anos, que desde o ano passado enfrenta a doença de forma corajosa, bem-humorada e criativa.

Ela criou a fanpage Quimioterapia e Beleza, para mostrar a todos - e especialmente às mulheres que estão passando pelo mesmo problema - que é possível, sim, seguir em frente. É hora de erguer a cabeça e enfeitá-la, com belos lenços, perucas e chapéus.

- Se fizer quimioterapia, os cabelos vão cair, você querendo ou não. E, se não tem outro jeito, que se encare esse momento com bom humor, criatividade e glamour - ensina a empresária.

Flávia sempre esteve ligada ao mundo da moda e da beleza. Nasceu em Florianópolis, é filha de um representante de marcas de roupas e de uma professora. Desde muito novinha acompanhava o pai, que montou um showroom na cidade, onde a garota começou a trabalhar. Passou a entender de tecidos, confecções e moda. Tudo foi muito precoce na sua vida.

Teve um filho aos 15 anos, foi modelo e manequim. Mais tarde, decidiu ir para os Estados Unidos, fazer curso de piloto privado, um sonho antigo. Voltou ao Brasil dois anos depois e, em São Paulo, não teve jeito: voltou para o mundo glamuroso da moda. Já estava no seu DNA. Cursou a faculdade de Administração de Empresas, foi representante de grifes famosas como Forum, Cavalera e TNG.

- Adoro Floripa, mas para quem quer trabalhar com moda, São Paulo é, sem dúvida, o melhor lugar - afirma.

A hora da verdade

Tudo ia bem na vida de Flávia, até que um dia, num autoexame, descobriu um caroço numa das mamas, bem maleável. Mostrou para o primeiro médico com quem consultou. Ele disse que o carocinho parecia "inofensivo". 

- Eu fazia ultrassom a cada seis meses e nunca apareceu nada - relembra.

Mesmo assim, o médico pediu uma mamografia. Além do nódulo, o exame mostrou também que uma das próteses de silicone havia se rompido. Flávia, então, marcou com o cirurgião plástico a troca dos dois implantes mamários.  

- Meus seios ficaram lindos - comenta.

O cirurgião aproveitou para retirar o nódulo e o mandou para a biópsia. Flávia tinha até esquecido do assunto quando, dias depois, o médico mandou lhe chamar e deu a notícia de que era câncer e que precisava ser operado logo. Mais alguns dias e nova internação, desta vez para extirpar a doença e, junto com ela, os dois seios. 

- Tive medo quando descobri. Na real, mal conseguia respirar de tão chocada. Surtei. Eu me senti frágil e desprotegida. Chorei durante 10 dias. Foi assustador ver minha família e amigos chorando por mim. Isso me destruiu.

Flávia, que sempre foi muito vaidosa e tinha uma linda cabeleira, quando se deu conta de que iria perder os cabelos e ficar carequinha, por causa da quimioterapia, pensou que não ia conseguir. Num primeiro momento, se negou a iniciar o tratamento. Esse momento de angústia e medo e negação, dizem os especialistas, faz parte do processo e é muito natural. Mas passados os primeiros dias, conta Flávia, é surpreendente a força que as pessoas encontram dentro de si.

- Eu pensava assim: aconteceu, é um fato, e eu preciso enfrentar a realidade. Hoje, não gasto meu tempo pensando se o câncer vai voltar ou não. Estou mais preocupada com a minha qualidade de vida, e também com as internautas que leem a minha fanpage e meu blog. São mulheres de todo o mundo, que lá encontram ideias, inspiração e muita alegria - conta a ex-modelo.

Beleza não é futilidade

Flávia fez uma pesquisa no Google buscando "quimioterapia + beleza" e não achou nada consistente sobre o tema. 

- É como se existisse um tabu acerca desse assunto, como se fosse um absurdo a mulher que está com câncer querer se arrumar e ficar bonita. Resolvi, então, falar eu mesma sobre o assunto, e não é futilidade. É autoestima, que ajuda muito no tratamento. Através da minha página e da minha história, quero servir de exemplo e incentivo para muitas mulheres mundo afora, que passam pelo mesmo problema.

A catarinense tem muitos projetos para o futuro. Pretende continuar, mesmo depois de curada, a trabalhar nesta área, ajudando pacientes de câncer a resgatar sua autoestima através da beleza e dos cuidados com seu corpo.

- Pretendo continuar minha fanpage, fazer algo cada mais profissional, criar blogs, documentários e, quem sabe, até um programa de bem-estar voltado a este público, com dicas de stylists (por exemplo: as diferentes amarrações de lenços, para sair sempre linda de casa), maquiadores, nutricionistas, as melhores perucas, especialistas em direitos de pacientes de câncer, cosméticos, cuidados diários e, acima de tudo, muito humor - comenta, já pensando no futuro.

Todos os dias, Flávia recebe em sua página (www.facebook.com/quimioiterapiaebeleza) muitas perguntas de suas leitoras. Elas geralmente questionam sobre a perda do cabelo, elogiam o alto-astral da blogueira e querem saber mais detalhes de seu tratamento, para poder comparar com seus próprios diagnósticos e sintomas.

- Minha página vem mostrando a todos o quanto estou forte para enfrentar o câncer. Recebo carinho e palavras de apoio de todos os lados. Isso me enche de alegria. Autoestima elevada é, para mim, o segredo de um tratamento quimioterápico bemsucedido, sem sofrimento, sem pena de si mesmo, com feminilidade, sensualidade, bom humor e muita vaidade.

Além da página na internet, Flávia também publica pequenos vídeos no YouTube. Fez um, inclusive, da sua primeira sessão de quimioterapia. Mas o de maior audiência e repercussão foi o vídeo no qual ensina as internautas a fazer diferentes amarrações de lenços. Diversificar, aliás, é palavra constante no dicionário da ex-modelo. Desde que ficou carequinha, aproveita para "vestir", a cada dia, um novo personagem, que varia de acordo com seu estado de espírito.

- Um dia, pareço uma mulher judia, no outro, uma muçulmana, ou a personagem do filme Pulp Fiction, uma surfista loura, a panicat careca, uma punk... Vou variando os estilos. E como os cílios também caíram, coloco um par postiço e saio de casa me sentindo poderosa.

Comentar esta matéria Comentários (0)

Esta matéria ainda não possui comentários
clicRBS
Nova busca - outros