Versão mobile

05/02/2011 | 22h27

Estudo analisa a construção do maior prédio da América do Sul em Balneário Camboriú

A proposta gera discussões sobre os impactos ao meio ambiente na cidade

Enviar para um amigo

Os prédios de 20, 30 e 40 andares que hoje contornam a orla de Balneário Camboriú ficarão pequenos se um estudo que está em andamento virar realidade. A proposta é construir no balneário o maior edifício da América do Sul, com 62 andares. A meta é levantar o arranha-céu na Barra Sul, próximo ao teleférico.

Compare os arranha-céus mundiais com os do Brasil e Santa Catarina

O prefeito Edson Piriquito confirma a informação, mas a FG Empreendimentos, que faz o estudo de viabilidade, mantém a ideia em sigilo. Se, por um lado, o crescimento do ramo imobiliário, principalmente o vertical, é favorável à economia, por outro, preocupa. Água, sistema viário, vagas de estacionamento e saneamento básico são suficientes para tanta gente?

Os números revelam o problema. De acordo com o Sindicato das Empresas de Compra, Venda e Locação de Imóveis de Balneário Camboriú (Sicovi), atualmente o município possui 1.898 prédios. Até 2014, a expectativa é de que mais 250 sejam entregues. Isso significa quase 5 mil apartamentos a mais na cidade, a maioria com três quartos. Destes, 60% já estão vendidos.

— Precisamos de uma legislação mais firme, que permita que a comunidade dê opiniões. Balneário Camboriú é uma cidade que não nasceu planejada. Ela se estruturou sem planejamento — aponta o geólogo Marcus Polette, professor da Univali.

O secretário municipal de Planejamento, Auri Pavoni, confirma que não há uma regulamentação que determine a metragem territorial ou a altura dos edifícios. Pavoni garante que regras são ignoradas na construção civil há pelo menos 20 anos.

Em 2015, um edifício de 45 andares e 140 metros de altura será entregue. A obra é da FG Empreendimentos.

— Este prédio (Alameda Jardins) será construído na Barra Norte em uma área de 1,5 mil metros quadrados. Os outros 3,5 mil metros quadrados são de área verde, onde os moradores poderão fazer trilha e praticar esportes, por exemplo – conta o gerente comercial da construtora, Antônio José Roncáglio.

Polette usa a palavra paradoxal para definir a situação:

— É um avanço da tecnologia da Engenharia Civil a questão dos edifícios cada vez mais altos. Mas esse crescimento gera um impacto muito grande, principalmente na vizinhança.

DIÁRIO CATARINENSE

Comentar esta matéria Comentários (7)

Tadeu

Depois que Balneário Camboriú vendeu o sol para saciar a ganância imobiliária tudo é possível, já que o sol não brilha na praia depois das 15 horas.

06/02/2011 | 23h29 Denunciar

Irio

Isso aqui já virou bagunça mesmo, qq prédio será autorizado pelo poder público pois o que manda é o dinheiro!!!

06/02/2011 | 20h13 Denunciar

Pedro

O Secretário não está sendo completo em sua peroração, pois, com o advento do Ministério das Cidades, todos os municípios têm que apresentar seu plano diretor e, nele, é obrigatório constar a questão dos gabaritos horizontais e verticais em cada zona urbana. Portanto, Balneário Camboriú, sim, deve ter seus gabaritos no seu plano diretor, se não o estão cumprindo - como não estão - o caso é de polícia. Mas, em Santa Catarina, chamar a polícia para o quê, mesmo? E o MP (moralidade pública)?

06/02/2011 | 16h15 Denunciar

Clayton

Vai cair.

06/02/2011 | 11h15 Denunciar

Irio

VIVA BALNEÁRIO, VIVAAAAAAAAAAAAAAAAA!!! BRASIL, UM PAIS DE TOLOS E....GANANCIOSOS!!

06/02/2011 | 09h25 Denunciar

Irio

Isso aqui já virou bagunça a muito tempo.. A ganância humana é grande... VIVA BALNEÁRIO, VIVA A FG, VIVA O PIRIQUITO!!!

06/02/2011 | 09h07 Denunciar

Paola

Não só em Baln. Camboriú, mas também em Florianópolis, Itapema e Itajaí a mesma situação se repete: a especulação imobiliária e o 'crescimento' sem limites estão acabando com as nossas cidades, diante de governantes que parecem pouco se importar com isso. Muito em breve, vai ser insuportável viver nessas cidades... Tal qual gafanhotos devastando uma plantação, isso tudo só vai parar quando acabarem com tudo. Tenho muita pena em ver isso. É preciso que toda a sociedade reaja enquanto é tempo!

06/02/2011 | 01h32 Denunciar

Siga Diário Catarinense no Twitter

  • dconline

    dconline

    Diário CatarinenseJuiz federal minimiza impactos de decisão sobre demolições na Lagoa da Conceição. http://t.co/qvhTXVoxK8há 33 minutosRetweet
  • dconline

    dconline

    Diário CatarinenseMorre o escritor Ariano Suassuna. http://t.co/SKLQ2EoIXihá 48 minutosRetweet
clicRBS
Nova busca - outros