Hollande ou Sarkozy06/05/2012 | 04h42

França vai às urnas dividida entre dois modelos para combater a crise

Em desvantagem durante a campanha, Sarkozy cresceu nas pesquisas e coloca em xeque o favoritismo do candidato socialista

Enviar para um amigo
França vai às urnas dividida entre dois modelos para combater a crise Fred Dufour/AFP
Candidato socialista François Hollande votou neste domingo no interior do país e é favorito nas pesquisas Foto: Fred Dufour / AFP
O mundo olha atento para o desfecho da eleição presidencial francesa no domingo, num misto singular de medo e ceticismo. Cada candidato representa um modelo de combate à crise pela qual passa o Velho Mundo e o nome escolhido pode mudar os rumos da União Europeia.

François Hollande, com sua retórica contra a política de austeridade e pelo aumento de impostos, pode ser a maior chance dos socialistas voltarem ao cargo que não ocupam desde 1988. A revista britânica The Economist fez seu alerta: uma vitória de Hollande pode envenenar a confiança dos mercados e comprometer a própria sobrevivência do euro.

Já Sarkozy tenta pegar a carona da vitória com um discurso nacionalista de "França forte". Ao mesmo tempo, ele aponta para o oponente praticamente apelidando-o de "crise econômica", quase como se repetisse a famosa frase do rei Luís XV: "depois de mim, o dilúvio".

E a tática funcionou: no início da semana, uma desvantagem de 10 pontos percentuais nas sondagens parecia ser um convite de aposentadoria para o atual presidente do país, o conservador Nicolas Sarkozy. Ao longo dos dias, após um debate de quase três horas na quarta-feira, pesquisa após pesquisa, o francês foi crescendo a ponto de reduzir a margem a quatro pontos — rondando um empate técnico.


Homem elege o futuro presidente da França na embaixada em Manila, na Indonésia, neste domingo. Foto: Jay Directo, AFP

No grupo dos céticos, há os que acreditam que não há muita diferença entre um e outro.

— Nós perdemos parte do poder de decisão dentro de nossas fronteiras. Temos pessoas fingindo que terão poder como presidente, mas a margem de decisão dos governos nacionais ficou restrita — disse a ZH a deputada do parlamento europeu pela França Sylvie Goulart.

A deputada vê na França a materialização do conflito entre nacionalismo e globalização presente em toda Europa, mas mais forte no país. Para ela, o país deve deixar de lado o o que chama de espírito de Asterix: a ideia de que é uma vila combatendo contra o Império Romano, como se a globalização e influência estrangeira fossem nocivos ao país.

O Professor de Relações Internacionais da Faculdade Rio Branco, Demétrius Cesário Pereira, vê uma diferença mais marcante entre os dois candidatos. Para ele, enquanto Sarkozy quer manter a política de austeridade no orçamento, o socialista quer equilibrar as contas de outra maneira:

— Hollande fala em tentar aumentar a arrecadação e tentar suprir esse déficit que existe. Busca uma solução sem tentar apertar tanto o cinto. Umas das principais ideias dele é aumentar os impostos do mais ricos e assim equilibrar melhor o balanço.

É uma visão que incomoda a Alemanha, país que detém a chave do maior cofre do continente e ainda com possibilidade de emprestar dinheiro aos países gastadores do sul. A chanceler Angela Merkel teme perder, caso Hollande vença, seu principal aliado da proposta de combate à crise pelo reequilíbrio doloroso das contas públicas.

Embora Merkel já esteja se preparando para abraçar o primeiro-ministro da Itália, Mario Monti, Pereira acredita que a aliança com a França é por conta da liderança que os dois exercem no processo de integração europeu seja qual for o governo.

Independente de quem vencer, o país de Napoleão, assim como os demais países europeus, vem perdendo a importância relativa no mundo. Ainda assim, uma possível ruína da França deixaria o continente em um pôr do sol permanente.

Notícias Relacionadas

Eleições na França 05/05/2012 | 14h46

Franceses que moram no Brasil se antecipam aos eleitores da França e escolhem hoje presidente

Aproximadamente 15 mil franceses que moram no Brasil estão aptos a votar

Comentar esta matéria Comentários (0)

Esta matéria ainda não possui comentários

Siga Diário Catarinense no Twitter

  • dconline

    dconline

    Diário Catarinensevia @visordiario Ativista da causa LGBT em Floripa protesta na internet contra a homofobia http://t.co/leJgPkUTlN #esefossevocehá 16 minutosRetweet
  • dconline

    dconline

    Diário CatarinenseTroca de guardrail fecha pistas centrais da SC-401 durante a noite, em Florianópolis http://t.co/3RDxGjdFv7 http://t.co/jqdqtC0CLlhá 29 minutosRetweet
Diário Catarinense
Busca
clicRBS
Nova busca - outros