Versão mobile

Gigante do Atlântico28/12/2012 | 20h20

Mero encontrado morto em Florianópolis ajudará pesquisadores a entender melhor a espécie

Partes dele foram levadas para um centro de pesquisa do Ibama, em Itajaí, Litoral Norte

Enviar para um amigo
Mero encontrado morto em Florianópolis ajudará pesquisadores a entender melhor a espécie Daniel Conzi/Agencia RBS
Mero encontrado nesta quinta-feira era uma fême que guardava 18 quilos de ova Foto: Daniel Conzi / Agencia RBS
Júlia Antunes Lorenço

julia.antunes@diario.com.br

O mero encontrado morto, na manhã de quinta-feira, em Florianópolis, ajudará pesquisadores a desvendar mais sobre a vida deste peixe, que está em risco de desaparecer da natureza. Estudiosos levaram pedaços do animal para o Centro de Pesquisa e Gestão de Recursos Pesqueiros do Litoral Sudeste e Sul do Brasil (CepSul), em Itajaí, Litoral Norte.

A analista ambiental do ICMBio, que atua no CepSul, Roberta Aguiar dos Santos, ressalta que os meros são animais muito raros, e que entender o comportamento deles é importante, até mesmo para ajudar na preservação da espécie.

O peixe achado morto na Baía Norte, aos pés da Ponte Hercílio Luz, era uma fêmea. Dela, os pesquisadores do projeto Meros do Brasil levaram o fígado, fonte importante para estudar o DNA, o estômago, que dará mostras do que ele se alimenta, o coração, que vai ajudá-los a dar o peso do mero, que pode chegar até 400 quilos.

A ideia é reunir o maior número de informações possíveis, como idade e se ela estava próxima da desova, já que guardava 18 quilos de ova.

— Vamos saber quantos ovócitos tinha, qual a fecundidade dela — observa.

Eles também esperam que com o DNA possam saber a qual população de meros a fêmea fazia parte, o que vai indicar se há migração nessas espécies. Os meros são encontrados no Brasil e em outros países, como EUA e México.

— Todas essas informações serão retiradas. E são muito difíceis de serem reunidas, porque só encontramos os meros na natureza. Então, quando aparecem, infelizmente, mortos podemos colher todos esses dados — diz Roberta.

Os restos foram enterrados em Florianópolis. Os pesquisadores irão pegar os ossos, para montar o esqueleto e também descobrir a idade. Já a causa da morte será mais difícil de se levantar. O peixe não apresentava ferimentos. A única anormalidade encontrada foi os olhos arregalados.

O mero é a maior espécie da família das garoupas. Apesar do tamanho, é dócil e uma presa fácil. Ele vive em zonas costeiras, gosta de entrar em espaços rochosos e em corais.

Notícias Relacionadas

Meros 27/12/2012 | 22h06

Pesquisador do Projeto Meros do Brasil explica por que espécie está ameaçada de extinção

Uma fêmea de mero, prestes a desovar, foi encontrada morta na Baía Norte, em Florianópolis

Animal marinho 27/12/2012 | 14h48

Peixe da espécie mero é encontrado morto próximo à Avenida Beira-mar Norte em Florianópolis

Animal corre risco de extinção e é protegido por lei desde 2002

16/07/2011 | 15h56

Peixes são apreendidos pela Polícia Federal em São Francisco do Sul

Meros estavam em embarcação de Itajaí e estão ameaçados de extinção

29/03/2008 | 13h20

Pescador da Capital captura mero de 30 quilos

Daniel de Siqueira fisgou peixe utilizando camarões vivos como isca na Baía Norte

Comentar esta matéria Comentários (0)

Esta matéria ainda não possui comentários

Siga Diário Catarinense no Twitter

  • dconline

    dconline

    Diário CatarinenseBMW está autorizada a iniciar produção em Araquari, no Norte de SC http://t.co/ZmJNUiecgahá 5 minutosRetweet
  • dconline

    dconline

    Diário CatarinenseSaiba como usar o wi-fi público com segurança. http://t.co/8zKoMNxEK2há 38 minutosRetweet
Diário Catarinense
Busca
clicRBS
Nova busca - outros